Transplante de barba


O transplante de barba é realizado por meio da técnica atual de transplante capilar, na qual são utilizadas unidades foliculares com raízes individuais.

Transplante de barba

Implante de barba, Correção de barba rala ou falhada

A busca por uma barba farta, sem falhas, tornou-se uma tendência mundial e está em alta entre os homens. Além de produzir um visual mais atraente, a barba e o bigode densos também podem camuflar cicatrizes e defeitos existentes na face. O transplante de barba (implante de barba, correção de barba rala ou falhada) é realizado por meio da técnica atual de transplante capilar, na qual são utilizadas unidades foliculares com raízes individuais, retiradas do couro cabeludo do paciente (área doadora) e transplantadas fio a fio na região da barba ou do bigode (área receptora). De maneira geral, esta técnica confere resultados bastante satisfatórios e sua naturalidade dependerá do desenho correto do contorno da barba e da direção em que cada fio é transplantado.

Transplante de barba: FUT x FUE

A técnica cirúrgica descrita acima ainda é a mais realizada no Brasil e é conhecida como técnica clássica, Strip ou FUT (Follicular Unit Transplantation). Outra técnica utilizada para o transplante capilar é a FUE (Follicular Unit Extraction), na qual não se realiza incisão para retirar faixa de tecido na área doadora. Desta forma, não há cicatriz linear no couro cabeludo. Na FUE, as unidades foliculares (UFs) são removidas por meio de pequenas incisões arredondas ao redor destas (menores que 1mm). Neste processo, o respeito à direção do nascimento dos fios é indispensável para evitar sua transecção.

A FUE se subdivide em simples e robótica (Robotic FUE). Na FUE simples, as unidades foliculares (UFs) são extraídas por meio de um micropunch (aparelho com pequena lâmina redonda cortante), já na FUE robótica, estas unidades são retiradas por uma máquina constituída por um braço robótico, comandada por sofisticado software. Neste caso, um programa realiza através do laser  um “scanning” da área doadora do paciente e identifica as UFs a serem extraídas. Cabe ao médico ativar o processo de extração destas unidades, realizado pela máquina. O robô necessita ser calibrado e constantemente supervisionado. Tanto na FUE simples, quanto na FUE robótica, as unidades foliculares extraídas são separadas e transplantadas como na técnica clássica, ou seja, pelo cirurgião e sua equipe.

No transplante de barba, a técnica FUE simples é útil para extrair as UFs a serem transplantadas da região abaixo do queixo. Nesta região, tanto a FUT (técnica clássica) quanto a FUE robótica não são adequadas. A FUT deixaria uma cicatriz em uma área difícil de ser camuflada, já a FUE robótica não extrairia adequadamente as UFs deste local.

Transplante de barba

Técnica cirúrgica

• Marcação de faixa de couro cabeludo na região posterior ou lateral da cabeça (área doadora). Normalmente, os cabelos da região da nuca são os preferidos para este tipo de procedimento.

• Marcação da área da barba e do bigode (área receptora).

• Antissepsia + anestesia.

• Incisão e ressecção de faixa de couro cabeludo.

• Revisão de sangramento e fechamento da área doadora.

• Dissecção cuidadosa sob visão de lentes de aumento ou de microscópios para a retirada de enxertos de fios de cabelo com suas raízes intactas (unidades foliculares).

• Transplante das unidades foliculares fio por fio na área da barba e do bigode (área receptora), através da utilização de agulhas acopladas a um bisturi. São transplantadas cerca de 2 a 4 mil unidades foliculares por cirurgia, sempre de uma a duas raízes, o que confere sempre um resultado muito natural (transplante fio a fio).

• Na técnica FUE, as unidades foliculares são removidas da área doadora por meio de pequenas incisões arredondas ao redor destas (menores que 1mm), sem retirada de faixa de couro cabeludo. Em alguns casos, pode-se associar a técnica FUT com a FUE.

 

Antes da realização de qualquer cirurgia plástica, é importante que o paciente siga as orientações pré-operatórias.

  • Após conversar com seu médico e esclarecer todas as suas dúvidas, ele lhe indicará alguns exames de rotina que deve ser feitos no máximo 3 meses antes da cirurgia. Uma avaliação clínico-cardiológica (risco cirúrgico) também será solicitada. Em casos determinados, podemos pedir outro exame específico que possa ajudar no esclarecimento de algum diagnóstico.
  • Comunique se você é portador de alguma doença ou se está com alguma infecção. Informe todos os medicamentos que você faz uso rotineiro. Comunique qualquer anormalidade ou uso recente de medicamentos, alergias medicamentosas ou alimentares.
  • Não use, por no mínimo 15 dias, medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico (AAS), anticoagulantes, corticóides de uso prolongado ou medicamentos para emagrecer. Em caso de tabagismo, o cigarro deverá ser interrompido 15 a 30 dias antes da cirurgia.
  • Evite ingerir bebidas alcoólicas e comidas gordurosas na véspera da cirurgia. Inicie jejum 10 horas antes da cirurgia (nem água). No dia da cirurgia, evite o uso de cremes faciais ou corporais, bem como maquiagem ou esmalte escuro. Na véspera da cirurgia tome banho usando um sabonete antisséptico.
  • Chegue ao hospital no mínimo 30 minutos antes do horário da cirurgia, para a sua internação. Leve no dia da cirurgia os exames pré-operatórios, o risco cirúrgico, o termo de consentimento datado e assinado. Leve os objetos recomendados pelo seu médico, tais como: malhas e meias compressivas, óculos escuros, etc. Trazer uma bolsa para guardar os objetos de uso pessoal também é aconselhável.
  • Não use acessórios metálicos como anéis, alianças, brincos, piercings, pulseiras ou colares no dia da cirurgia. Venha com roupas confortáveis e folgadas, que não precisem ser colocadas pela cabeça, pois serão utilizadas quando receber alta.
  • Venha com um acompanhante ou comunique na recepção o nome e o telefone de uma pessoa que possa vir buscá-la(o).

Quer imprimir? Clique e faça o download: Orientações pré-operatórias.

A recuperação será tranquila e o pós-operatório indolor, na maioria das vezes. Não serão usados curativos. O paciente poderá retornar às suas atividades já no dia seguinte. Na primeira semana a pele do rosto poderá ficar vermelha e com algum inchaço. Os cuidados posturais e a drenagem linfática permitirão a absorção do inchaço. O paciente estará liberado para fazer a barba 2 a 3 semanas após a cirurgia.

Leia mais:

Orientações sobre transplante de barba

  • Não serão usados curativos. Normalmente não haverá dor após a cirurgia.
  • Evite dirigir nos primeiros 3 dias de pós-operatório.
  • Após a alta, será importante o repouso no leito ou em cadeira reclinável. Ao deitar, mantenha a cabeceira elevada 30º por 5 dias. Durma sem comprimir as regiões operadas contra o leito.
  • No dia seguinte à alta, você já poderá tomar seu banho de corpo inteiro, lavando inclusive as regiões operadas, sem esfregá-las, utilizando o sabão receitado. Lave cuidadosamente as feridas operatórias (áreas com pontos). Jamais use duchas de jato forte na área operada. Complete o banho com o sabonete normal.
  • Tenha sempre uma toalha de rosto limpa separada para enxugar a área operada e uma toalha comum para enxugar o resto do corpo. Na área operada, comprima levemente ao enxugar e não esfregue.
  • A partir do 1º dia pós-operatório, não haverá necessidade de repouso no leito. Retorne às suas atividades normais, respeitando os limites referidos.
  • Será provável o surgimento de inchaço (edema) nas áreas operadas, o qual desaparecerá com o passar do tempo. Sua resolução poderá ser acelerada com sessões de drenagem linfática.
  • Haverá formação de crostas junto aos implantes, as quais não deverão ser removidas em hipótese alguma. Aos poucos elas cairão sozinhas (por volta de 10 a 12 dias), deixando os fios integrados.
  • A exposição solar deverá ser evitada nos primeiros 30 dias após a cirurgia. O uso de bonés ou chapéus que cubram o rosto poderá ser recomendado. O uso de protetor solar também é aconselhável.
  • Atividades físicas mais intensas só deverão ser reiniciadas 3 meses após a cirurgia (exemplos: natação, corrida, musculação, esportes com bola).
  • Até cerca de 2 meses os fios transplantados cairão, voltando a crescer algumas semanas depois de forma definitiva (com cerca de 3 meses). É uma fase de ansiedade natural que será contornada com o conhecimento das informações evolutivas dos fios transplantados.
  • Normalmente, recomendamos o uso de alguns produtos que estimulam o crescimento capilar e tudo isso lhe será orientado pelas receitas.
  • Você deverá retornar ao consultório médico regularmente, conforme o solicitado, para a retirada dos pontos e avaliação da evolução da cirurgia.
  • Após a retirada dos pontos, inicie a realização de massagens das cicatrizes com o óleo prescrito. Em alguns casos, cuidados especiais com as cicatrizes serão necessários.
  • Normalmente, estará autorizado fazer a barba 2 a 3 semanas após a cirurgia.
  • O resultado de sua cirurgia dependerá muito do seguimento correto dessas orientações. Qualquer dúvida, entre em contato com o seu médico.
 

FAQ - Perguntas Frequentes: Transplante de barba

O transplante de barba é indicado para homens que apresentam falhas ou mesmo ausência de pêlos no rosto (imberbes), que desejam ter uma barba mais volumosa e densa ou que queiram ter um visual no estilo “barba por fazer”. Além disso, esta cirurgia também possibilita a camuflagem de cicatrizes ou de defeitos faciais sob as costeletas, a barba ou o bigode.

Normalmente, a idade recomenda é acima dos 20 anos. Geralmente, os pacientes que procuram este tipo de procedimento já são adultos.

A anestesia local associada à sedação é a mais utilizada, mas a cirurgia também pode ser realizada sob anestesia geral.

O transplante de barba dura cerca de 5 a 6 horas. Já com a técnica FUE, o procedimento pode durar acima de 6 horas.

O tempo de internação é de 8 a 12 horas. Normalmente, o paciente é liberado no mesmo dia.

Os pontos da área doadora são retirados 12 a 14 dias após a cirurgia. Na técnica FUE não há necessidade de pontos.

As complicações pós-operatórias são raras. Dentre elas podemos citar: hematoma, infecção, alterações cicatriciais, etc.

Os fios transplantados poderão cair a partir da 3ª semana, mas retornarão o seu crescimento em 2 a 3 meses (novos fios crescerão a partir dos bulbos transplantados). O resultado definitivo é observado a partir do 10º mês. O resultado fica bastante natural já que os fios são transplantados um a um, e não em tufos. Mesmo quando o paciente resolve fazer a barba, não são vistas cicatrizes na área receptora. No caso da técnica clássica, a cicatriz da área doadora fica escondida entre os cabelos da cabeça e normalmente é fina, já na técnica FUE ocorrerá apenas uma discreta rarefação dos fios na área doadora, sem deixar cicatrizes.

 

Agende uma consulta

Este é apenas um pré-agendamento. A consulta será confirmada por um atendente. Aguarde nosso contato.

 





O Corpo


Escolha e clique em qualquer área do desenho abaixo para saber mais sobre uma cirurgia ou procedimento.