Aspirina e outros Anticoagulantes na Cirurgia Plástica

O sucesso da cirurgia plástica não se faz apenas durante a operação. Aspirina e outros anticoagulantes podem ser incompatíveis com drogas anestésicas.

Aspirina e outros Anticoagulantes na Cirurgia Plástica

Uma cirurgia plástica envolve tantos riscos como qualquer outro procedimento desse tipo. Portanto deve ser levada a sério quanto aos cuidados requeridos para tal.

Esses cuidados, sem dúvida, começam com os exames pré-operatórios solicitados pelo médico.

Só isso, no entanto, é insuficiente para reduzir as chances de que algo fuja aos planos.

Há sempre um fator de risco calculado para toda e qualquer atividade cirúrgica e a função de um bom médico é minimizar essa situação.

Para tanto, o cirurgião orientará o paciente a seguir determinados procedimentos para garantir o sucesso da cirurgia.

Uma simples vitamina E ou uma substância para dar mais pique como o ginseng pode interferir no sucesso de uma cirurgia. Botox, preenchimentos e linhas de sustentação podem afetar de forma negativa o resultado e precisam ser eliminados por completo do organismo antes da intervenção cirúrgica.

O ácido acetilsalicílico (componente da aspirina), antiinflamatórios e alguns antidepressivos são incompatíveis com algumas drogas anestésicas usadas no pré-operatório. Mais recentemente, descobriu-se que o ginseng e todos os contraindicados em caso de suspeita de dengue, a gincobiloba, e a vitamina E podem interferir na coagulação do sangue, causando hemorragias.

O consumo desses medicamentos deve ser suspenso 15 dias antes da realização da cirurgia, para que o corpo metabolize totalmente a droga.

Os cuidados precisam ser redobrados no caso do ginseng, que demora a ser eliminado do organismo.

As mulheres que fazem uso de hormônios para reposição na fase da menopausa também merecem atenção redobrada. Esses pacientes apresentam grande chance de desenvolverem uma embolia durante a realização de cirurgias consideradas de grande porte.

Pacientes  fumantes que utilizam anticoncepcionais, o risco de formação de coágulos é ainda maior. Parar de fumar, cessar o uso de anticoncepcionais e não fazer reposição hormonal algum tempo antes da cirurgia são medidas que devem ser tomadas efetivamente para que haja segurança durante e após o procedimento.

O sucesso da cirurgia plástica não se faz apenas durante a operação. Tomando–se os cuidados necessários tanto no pré, quanto no pós-operatório, o procedimento alcançará o resultado desejado.

Agora que você sabe mais sobre os cuidados no uso de anticoagulantes, que tal ficar por dentro de outros assuntos relacionados à cirurgia plástica? Assine gratuitamente a nossa newsletter e seja o primeiro a receber nossas novidades!