Drenagem linfática pós-cirúrgica: por que fazer após lipoaspiração?

por Dr. Fernando Rodrigues |  12 de Janeiro de 2018

A drenagem linfática é uma técnica de massagem que melhora a circulação sanguínea, ajudando a evitar a retenção de líquidos, aliviar as dores e reduzir os hematomas pós-cirúrgicos.

Drenagem linfática pós-cirúrgica: por que fazer após lipoaspiração?

A lipoaspiração requer tratamentos para que os resultados sejam mais satisfatórios e capazes de atender às expectativas da mulher. A drenagem linfática pós-cirúrgica é um desses tratamentos. Indicada em diferentes situações, ela estimula a circulação e traz muitos benefícios.

Trata-se de uma técnica de massagem focada no sistema linfático para estimular e acelerar o movimento da linfa até os gânglios linfáticos. No post de hoje, vamos elucidar pontos importantes relacionados à drenagem linfática e ao bem que ela faz para quem passou pela lipoaspiração recentemente. Acompanhe!

Por que fazer drenagem depois da lipoaspiração?

Geralmente, cirurgias, como a lipoaspiração, fazem com que o corpo do paciente retenha muito líquido, levando a quadros de inchaço local. A drenagem linfática, nesses casos, age como um catalisador para reduzir a retenção hídrica, e isso já estimula outras reações positivas no organismo.

Quais os benefícios da drenagem linfática pós-cirúrgica?

A drenagem linfática se mostra uma ótima aliada da mulher durante o período pós-cirúrgico. Ela é capaz de melhorar a circulação sanguínea, o que ajuda a evitar a retenção de líquidos na região, alivia as dores e reduz os hematomas pós-cirúrgicos.

O tratamento estimula a hidratação e a nutrição dos tecidos e, por isso, acelera o processo de cicatrização e a captação de oxigênio no pós-operatório. O que reduz os inchaços na região e possibilita uma melhora nas condições do tecido, estimulando a capacidade de reabsorção dos hematomas após a lipoaspiração.

Outro benefício da drenagem linfática é a diminuição do processo inflamatório causado pelas cirurgias.

Ela também favorece a redução da fibrose, um tipo de cicatrização interna dos tecidos em que a textura e a maciez ficam diferentes da pele original. Funciona assim: quanto mais líquido retido, maior será a área a ser cicatrizada para preencher o espaço entre os tecidos, ou seja, maior a fibrose.

Quais áreas do corpo devem ser drenadas?

A drenagem pós-cirúrgica pode ser feita de forma manual ou por meio da utilização de aparelhos eletrônicos em todo o corpo, com o intuito de estimular a circulação linfática geral. A drenagem manual, em especial, é mais importante, pois permite ser melhor direcionada na área operada, que recebe mais delicadeza e suavidade.

Quanto tempo depois da cirurgia é recomendado fazer a drenagem?

Essa é uma resposta que o cirurgião quem definirá, uma vez que cada caso exige um período de repouso, entretanto, na maioria dos casos, a drenagem linfática é realizada poucos dias após a lipoaspiração (entre 4 a 5 dias depois). Normalmente, assim que a paciente puder suportar a manipulação no local, o procedimento já pode ser realizado.

A quantidade varia conforme cada paciente e seu metabolismo, porém, são indicadas de 10 a 15 sessões, concluindo o tratamento assim que haja uma recuperação de hematomas e edemas.

Qual profissional pode realizar a drenagem?

O ideal é que seja um profissional indicado pelo cirurgião, geralmente um massoterapeuta, um esteticista, um fisioterapeuta ou outro profissional capacitado. Solicite sempre informações referentes aos trabalhos anteriores, aos diplomas e visite o local antes da cirurgia para evitar complicações futuras.

A drenagem linfática pós-cirúrgica é uma excelente aliada, contudo, é importante que seja conduzida por quem entende e pelo período adequado. Informe ao cirurgião o andamento das sessões e peça sugestões de como melhorar o resultado da lipoaspiração.

Gostou do que leu neste post? Quer ter acesso a outros conteúdos como este? Então clique e saiba mais sobre a importância do cirurgião plástico capacitado.